banner_triunfo_02.png
  • Voz de Portugal

A Familia do Brasil e de Portugal

Por Eron Falbo


Quase 50 mil brasileiros foram morar em Portugal só em 2019. E mesmo os que não conseguem emprego não querem voltar pro Brasil. De onde vem essa atração enorme por Portugal, uma vez que a independência do Brasil vai fazer 200 anos? E de onde vem a preferência por Portugal frente a tantas opções europeias? Apenas por conta da língua falada?

Eu quando fui visitar meus primos em Portugal pela primeira vez, fiquei maravilhado. Não os tinha conhecido, e me trataram como se tivéssemos crescido passando todos os natais juntos. Tudo parecia tão familiar. O sotaque, é claro, foi engraçado no começo, ainda mais para nós brasileiros. Mas em pouco tempo, já tá tudo fiche! Eu já morei em Londres, Paris, Budapest e Israel. Tenho família também na Itália e para lá, fui muito. Nada se compara ao senso de pertencimento que um brasileiro sente em Portugal.

O Brasil teve uma independência muito diferente de outras colônias. Quando os EUA foram formados, por exemplo, eles tinham um projeto de novidade, de quebrar com o velho mundo e fazer uma nova coisa. O povo não se sentia mais representado pela coroa. Intelectuais se uniram e com o apoio e união do povo, ganharam uma guerra. No Brasil não foi assim. Dom Pedro I declarou a independência brasileira a conselho de seu pai, o rei de Portugal, Dom João VI. Antes disso, a capital do Império Português era no Rio de Janeiro. Só por pressão de seu governo que Dom João VI trouxe a corte de volta, e contra a vontade e visão dele próprio. Para ele, o futuro era o Brasil. O Brasil iniciou sua jornada independente com a benção de seu "pai". O Brasil começou como uma continuação do sonho Português.

Depois o imperador brasileiro deixou o Brasil para reconquistar Portugal do seu irmão absolutista, Dom Miguel, em batalhas heróicas. De acordo com relatos: "Pedro montou canhões, cavou trincheiras, cuidou de feridos, comeu dentre os soldados mais baixos e lutou sob fogo pesado enquanto homens ao seu lado eram alvejados ou explodidos.". Ele saiu vitorioso e o imperador brasileiro é conhecido em Portugal como Dom Pedro IV de Portugal. Ou seja, de certa forma, Portugal pode ser visto como uma colônia do Brasil. Pois foi salva e conquistada pelo imperador brasileiro que deu a independência ao Brasil.

O Brasil era o sonho da casa de Bragança. Foi aqui que foram forjados os ideais democráticos da coroa, foi aqui que a casa real aprendeu a se modernizar e entrar no mapa do mundo industrial. A coroa brasileira era mais eficiente e democrática do que a República que seguiu. Até hoje a constituição brasileira que mais durou, foi a da monarquia brasileira. Depois já tivemos mais 6 e hoje estamos lutando para ter a 7a, se Deus quiser.

Outro fato importante foi que a República brasileira, que extirpou da terra a monarquia de Dom Pedro II, foi um golpe militar totalmente contra a vontade e sem o apoio do povo. Dom Pedro II era amado e visto como um herói. Até mesmo o próprio Marechal Deodoro se arrependeu de fazer o golpe e Rui Barbosa, um dos que lutaram pela República depois disse em discurso ao senado:

"A falta de justiça, Srs. Senadores, é o grande mal da nossa terra, o mal dos males, a origem de todas as nossas infelicidades, a fonte de todo nosso descrédito, é a miséria suprema desta pobre nação. [...] De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto. Essa foi a obra da República nos últimos anos. No outro regime [a Monarquia], o homem que tinha certa nódoa em sua vida era um homem perdido para todo o sempre, as carreiras políticas lhe estavam fechadas. Havia uma sentinela vigilante [Pedro II], de cuja severidade todos se temiam e que, acesa no alto, guardava a redondeza, como um farol que não se apaga, em proveito da honra, da justiça e da moralidade... O parlamento no Império era uma escola de estadistas, e na República é uma praça de negócios.”

Ou seja, o povo não quis a República, e os republicanos demoraram dezenas de anos para distrairem o povo o suficiente para esquecerem da Monarquia. Foi necessário ditaduras rígidas no Brasil, leis totalitárias e autoritárias para criar a atual amnésia do povo brasileiro em relação às suas origens portuguesas e monárquicas. Hoje se perguntar ao brasileiro comum, até de formação universitária, poucos sabem dizer como ocorreu exatamente a proclamação da República.

Em Portugal a casa de Bragança caiu depois, e em uma situação similar, com o assassinato do rei em 1908 orquestrado por positivistas influenciados por republicanos franceses e… quem diria? Brasileiros. Apesar de dizerem que tinham a maioria do povo atrás deles, em 1906, o partido republicano ganhou só 2,7% dos votos. Com outro golpe, os republicanos portugueses também tiveram que mentir para seu povo. Só que mentir é mais difícil quando se está na terra original. Rodeada de estátuas e história, garantindo a memória da casa de Bragança. Por isso, talvez, os portugueses se mantiveram com mais cultura e ordem do que o Brasil e com mais conexão às suas origens. É a primeira coisa que percebemos ao chegarmos em Portugal, "É um Brasil, só que com cultura e boas maneiras.".

No Brasil as ditaduras fizeram de tudo pra fazer o brasileiro esquecer. Mesmo assim foi só nos anos 60 que pararam de usar heróis da Monarquia nas cédulas do dinheiro brasileiro. O que nos restou foi Samba e Futebol e chamar de chique qualquer coisa que não seja brasileira. Hoje as cédulas brasileiras, apesar de ainda serem chamadas de "Real", contêm animais, pois a nossa história foi apagada e nos degradamos tanto a ponto de olhar pra cima e ver só a parte animal do Homem.

Nada que é feito com injustiça e tirania, como foi a República brasileira é totalmente esquecido. O povo brasileiro é órfão de identidade, de passado, de origem. Então quando ele vai a Portugal, ele sente isso na alma. Portugal preserva o ideal original brasileiro melhor do que o Brasil. Afinal a memória da casa de Bragança é preservada lá.

Enquanto isso, o Brasil é a alma de Portugal. Pois é a terra do futuro que sonhou Dom João VI, e continua com o mesmo potencial, de ser o melhor país do mundo. Talvez isso explique o encanto dos Portugueses ao conhecerem o Brasil. Sentem o mesmo que Dom João VI, pois a qualidade do povo, e dos recursos naturais, não mudou quase nada. O que mudou mesmo foi só o governo, e o apagão histórico. E isso, até dá pra consertar.

Se não fossem esses dois golpes contra a vontade do povo, o povo seria o mesmo. Liderados pela mesma família e mesmos ideais. Não primos distantes, mas literalmente a mesma família, filhos de Dom Pedro I do Brasil. Potencialmente poderiam até voltar a ser uma nação só. Nunca houve um legítimo rompimento que representava a vontade de nenhum dos dois povos. Portanto o povo, de forma inconsciente continua com esse sentimento de irmandade, e de cumplicidade. Enquanto isso, a casa de Bragança continua firme e forte.

22 visualizações
banner_grupo cofico.png
banner_arouca.png
banner_bom e barato.png
banner_686 gourmet.png
banner_breeze's.png
banner_esc. contabil vieira.png
banner_seu antonio.png
banner_AAP.png

© 2020 por Voz de Portugal. Criado com amor por Nathalia Maciel