banner_triunfo_02.png
  • Voz de Portugal

Bia Dória, primeira dama de São Paulo

Por Pedro Henrique de Sousa


Bia Doria é natural de Santa Catarina e tornou-se primeira-dama do Estado de São Paulo em janeiro de 2019, quando João Doria foi empossado Governador do Estado.

Mãe de três filhos, a artista plástica, reconhecida internacionalmente, sempre trabalhou com causas sociais e agora está à frente do Fundo Social de São Paulo, onde se dedica especialmente à implementação de projetos voltados à geração de renda para a população em situação de vulnerabilidade.

Paralelamente, Bia Doria mantém ativa sua produção de esculturas, usando como matéria-prima resíduos de florestas de manejo e árvores resgatadas de queimadas e fundo de rios. A sustentabilidade é a essência da sua arte.

Suas esculturas contemporâneas já foram exibidas no Brasil, França, Alemanha, Estados Unidos e Itália, onde ganhou prêmios, como o da 10ª bienal de Florença 2015 e o 35º Prêmio Internacional “Fontanedi Roma”, concedido pela Accademia Internazionale La Sponda.


Quais as ações mais importantes que você tem praticado no comando do Fundo Social de São Paulo?

Bia Doria: Nesse momento de pandemia, estamos focados em auxiliar as pessoas em situação de vulnerabilidade social com distribuição de cestas básicas e kits de higiene e limpeza. Tenho visitado comunidades da capital paulista para levar os alimentos. Nosso aplicativo “São Paulo Mais Humana” (www.saopaulomaishumana.sp.gov.br) também tem sido muito importante neste momento: através dessa ferramenta, as pessoas podem ajudar diretamente entidades sociais que estão precisando de ajuda. Temos ainda a campanha Inverno Solidário, que será lançada em breve, para estimular a doação de cobertores novos durante o período de frio. Paralelamente a esses trabalhos, ainda temos a Praça da Cidadania, um espaço que estamos implantando dentro de comunidades carentes com escolas de qualificação profissionais gratuitas e áreas de lazer.

Quais são os principais desafios que enfrenta a primeira-dama do Estado de São Paulo?

BD: Atender a todos que pedem ajuda.

Como você se relaciona com os críticos de arte?

BD: Muito bem. Fico atenta à opinião dos críticos.

Você pensa em abraçar a carreira política em algum momento?

BD: Nunca.

Como está sendo sua quarentena? É uma oportunidade para você dedicar mais tempo ao trabalho artístico?

BD: Durante a quarentena tenho me dedicado, principalmente, as ações do Fundo Social de São Paulo, sempre respeitando as orientações de distanciamento e uso de máscaras. Em relação ao meu trabalho como artista plástica, continuo, sim, mas com menos intensidade. Não pararei de criar arte.

36 visualizações
banner_grupo cofico.png
banner_arouca.png
banner_bom e barato.png
banner_686 gourmet.png
banner_breeze's.png
banner_esc. contabil vieira.png
banner_seu antonio.png
banner_AAP.png

© 2020 por Voz de Portugal. Criado com amor por Nathalia Maciel